• Atendimento Espiritual
  • (21) 3539-9539
  • Atendimento Administrativo
  • (21) 3539-9550

A vida de Frei Luiz

frei-luiz

Frei Luiz nasceu em 29 de junho de 1872 na aldeia de Marienfield, região de Westfalia, Alemanha e morreu em 08 de abril de 1937, na cidade de Petrópolis com quase 65 anos. Veio para o Brasil em 1894, chegando à Bahia em 10 de julho, como noviço franciscano.

Algum tempo depois, após se recuperar da febre amarela e da tuberculose que contraiu na Bahia, Frei Luiz vai para Olinda, onde termina seu noviciado e vai receber as chamadas Ordens Maiores de Subdiácono e Diácono em Recife. A saúde precária faz com que a sua transferência seja recomendada para um local de clima mais saudável, o que o faz seguir para Petrópolis em 1900, onde se dedica a orientar, auxiliar e visitar todos os necessitados da região.

Seu trabalho no campo religioso, como sacerdote franciscano, foi maravilhoso e lhe granjeou o carinho e a gratidão de todos que o conheciam. Devido a sua pureza, bondade e ligação com Deus, Frei Luiz se tornou um canal através do qual podia fluir o auxílio divino aos que mereciam. Muitas de suas bênçãos se transformavam em passes curadores.

Dominando perfeitamente o português, Frei Luiz, em 1905, dedica-se ao estudo da vida de seu protetor, Antônio de Pádua e escreve “Vida e Culto de Santo Antônio”, que recebeu elogios até do grande poeta e literato Conde de Afonso Celso.

Foi também professor da escola primária São José, mantida pelos franciscanos e lecionou Dogmática e Direito Canônico no Seminário Franciscano de Petrópolis. Seus sermões eram ouvidos com grande atenção por todos, inclusive pelos intelectuais. Frei Luiz foi alvo de muita perseguição e muitos atentados. Enquanto conservou a consciência, falou de amor e caridade, sendo essa sua grande mensagem.

O coração de Frei Luiz deixou de bater próximo às 23:00 do dia 08 de abril de 1937. O seu enterro parou Petrópolis.

No dia seguinte à sua morte levaram seu corpo da enfermaria para o convento onde romarias de fiéis foram vê-lo pela última vez. Frei Luiz sempre foi para todos um amigo, um confessor e um conselheiro de todas as classes sociais.